Hipertensão Arterial

Hipertensão arterial sistêmica, conhecida popularmente como pressão alta, é uma doença que representa um fator de risco para doenças cardiovasculares responsáveis por mais de 37% das causas de morte no Brasil.

O que é?
Hipertensão arterial é a elevação da pressão arterial sanguínea acima de 140/90 mmHg, ou 14 por 09 em termos populares.

Na maior parte do tempo, a hipertensão arterial não apresenta sintomas ao indivíduo, por isto é chamada de doença silenciosa. Ainda assim a pressão alta causa diversos danos ao organismo, com deterioração da circulação em diversos órgãos tais como rins, coração, cérebro e olhos. Levando ao desenvolvimento de doenças como derrame cerebral e infarto do coração.

A prevenção e o controle adequado são essenciais para evitar tais complicações.

Como rastrear?
É importante que toda pessoa procure saber o nível de pressão arterial. Efetuando aferições pelo menos a cada 02 anos naquelas pessoas com pressão arterial normal.

As aferições ou medidas de pressão devem ser feitas por médico ou profissional de saúde treinado, respeitando as seguintes condições:

• O indivíduo deve estar sentado, com descanso de pelo menos 05 minutos.
• Não ter feito exercícios físicos, ingerido bebidas alcoólicas ou café, ou ter fumado há menos de 01 hora.
• Remover as roupas do braço onde a pressão será medida.
• O aparelho de medição deve estar corretamente calibrado.

O diagnóstico da doença Hipertensão Arterial é realizado somente pelo médico, e são necessárias pelo menos duas aferições feitas em momentos diferentes.

Como prevenir?
• Manter o peso ideal
• Escolher alimentos saudáveis.
• Reduzir o sal da dieta. O ideal seria menos de 01 colher de chá por dia. Não usar saleiro durante as refeições é uma boa medida.
• Praticar atividades físicas por pelo menos 30 minutos na maioria dos dias.
• Não fumar.
• Ingerir bebidas alcoólicas com moderação.
Como tratar?
O tratamento da Hipertensão Arterial é feito com medicamentos chamados anti-hipertensivos. As atitudes listadas na prevenção são muito importantes para melhorar a resposta ao tratamento.

Referências:
1. V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão, 2006.
2. The Seventh Report of the Joint National Committee on Prevention, Detection, Evaluation, and Treatment of High Blood Pressure. The JNC 7 Report. JAMA 2003;289(19):2560-72.

Anúncios

Hipertensão Arterial

hipertensão arterial

A prevalência estimada de hipertensão no Brasil atualmente é de 35% da população acima de 40 anos. Isso representa em números absolutos um total de 17 milhões de portadores da doença, segundo estimativa de 2004 do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE). Cerca de 75% dessas pessoas recorrem ao Sistema Único de Saúde (SUS) para receber atendimento na Atenção Básica. Para atender os portadores de hipertensão, o Ministério da Saúde possui o Programa Nacional de Atenção a Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus. O programa compreende um conjunto de ações de promoção de saúde, prevenção, diagnóstico e tratamento dos agravos da hipertensão. O objetivo é reduzir o número de internações, a procura por pronto-atendimento, os gastos com tratamentos de complicações, aposentadorias precoces e mortalidade cardiovascular, com a conseqüente melhoria da qualidade de vida dos portadores.

HIPERTENSÃO ARTERIAL O QUE É?
É quando a pressão que o sangue faz na parede das artérias para se movimentar é muito forte, ficando o valor igual ou maior que 140/90 mmHg ou 14 por 9.

QUEM TÊM MAIS RISCO DE FICAR HIPERTENSO?
Quem consome mais bebida alcoólica.
Quem tem hipertenso na família.
Quem está com excesso de peso.
Quem usa muito sal na alimentação.
Quem é diabético.
Quem não tem uma alimentação saudável.
Pessoas da raça negra.

COMO MELHORAR O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO?
Evite ficar parado. Caminhe mais, suba escadas em vez de usar o elevador.
Diminua ou abandone o consumo de bebidas alcoólicas.
Tente levar os problemas do dia a dia de maneira mais tranqüila.
Mantenha o peso saudável. Procure um profissional de saúde caso tenha alguma dúvida sobre o tratamento da hipertensão arterial. Compareça às consultas médicas regularmente. Não abandone o tratamento, tome a medicação conforme a orientação médica.
Tenha uma alimentação saudável.
Diminua o sal da comida.

POR QUE É IMPORTANTE SABER SE VOCÊ É HIPERTENSO?
Porque a hipertensão arterial ou pressão alta, quando não é tratada, é o principal fator de risco para derrames, doenças do coração, paralisação dos rins, lesões nas artérias, podendo também causar alterações na visão

Em caso de dúvidas, procure um médico!

Fonte: Ministério da Saúde

Atividades físicas geram economia para a saúde

Ginástica LaboralA prática regular de exercícios físicos pode ser responsável pela economia de 36% dos custos com o tratamento da hipertensão arterial, considerada um dos principais fatores de risco de doenças cardiovasculares. A economia para o Sistema Único de Saúde (SUS) seria de estimados R$ 28,8 mil para cada grupo de cem pacientes.
Essa é a conclusão de pesquisa realizada por Sandra Lia do Amaral e Henrique Luiz Monteiro, professores do Departamento de Educação Física da Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista (Unesp), no campus de Bauru, e por Livia de Castro Rolim, pesquisadora do Departamento de Saúde Pública da Faculdade de Medicina de Botucatu, também da Unesp.
O estudo, intitulado Hipertensão e exercício: custos do tratamento ambulatorial, antes e após a adoção da prática regular e orientada de condicionamento físico, reuniu informações sobre o custo do tratamento de hipertensos, que foram acompanhados em ambulatório 12 meses antes e 12 meses após serem submetidos à rotina regular de exercícios físicos.
Os pesquisadores colheram informações dos prontuários clínicos de 31 pacientes do Núcleo de Saúde Otavio Rasi, em Bauru, no interior paulista, que aderiram ao Projeto Hipertensão, programa de condicionamento físico desenvolvido pela Unesp e pela Secretaria de Saúde do Município de Bauru.
Com o auxílio de graduandos do curso de educação física, séries de exercícios físicos foram prescritas aos pacientes. “Eles foram submetidos a exercícios aeróbios, de resistência, de coordenação e alongamentos, duas horas por dia, três vezes por semana”, relatou a coordenadora do estudo, Sandra Lia do Amaral, à Agência FAPESP. “Peso, altura, massa corporal, pressão arterial e freqüência cardíaca também foram informações coletadas.”
Os pesquisadores se basearam nas Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial, da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo, que indicam procedimentos para medição da pressão arterial e freqüência cardíaca.
Antes e após os exercícios físicos foram calculados os recursos financeiros empregados pelo SUS no tratamento dos pacientes, com valores referentes a consultas médicas, exames clínicos laboratoriais e medicamentos prescritos. Os resultados mostraram redução de 28% dos custos relacionados às consultas, de 45% nas despesas com exames e de 25% na distribuição de medicamentos, “devido principalmente à queda da pressão arterial dos indivíduos”, segundo Sandra.
De acordo com informações do Banco de Dados do Sistema Único de Saúde (DataSUS), cerca de 80% das internações hospitalares por problemas cardiovasculares no país estão relacionadas à hipertensão arterial.
“Há um consenso entre a comunidade científica a respeito da eficácia da atividade física para o tratamento de diversas doenças. A implantação de programas de exercícios em núcleos de saúde é importante tanto para otimizar os gastos como também para melhorar a qualidade de vida dos pacientes”, disse Sandra.
O trabalho será publicado na próxima edição da revista Hipertensão, editada pela Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH).

Fonte: Agência Fapesp