Orientação ao Viajante: Confira aqui as dicas da ANVISA para você ter uma viagem tranquila e saudável!

A Área de Orientação e Controle Sanitário de Viajantes tem como uma de suas responsabilidades estabelecer medidas para diminuir os riscos de um viajante vir a adquirir qualquer doença ou agravo de importância em saúde pública durante a viagem. Por sua vez, as empresas de transportes de passageiros devem cumprir a legislação, orientar e exigir que os viajantes apresentem os documentos necessários, além de adotar as medidas preconizadas pela autoridade sanitária frente a eventos de interesse à saúde pública. Da mesma forma, os viajantes devem prestar informações necessárias e apoiar as medidas estabelecidas. Ou seja, todos devem unir esforços para proteger a saúde da população.

A principal medida utilizada para tanto é a informação direcionada para cuidados com a saúde, que visam à prevenção ou diminuição do risco de exposição a uma doença ou agravo.

Confira medidas importantes a serem adotadas antes, durante e depois da viagem:

Antes de Viajar
Durante a Viagem
Depois da Viagem
Informações sobre doenças e agravos de interesse de saúde pública internacional

Fonte: ANVISA

Febre Amarela

febre amarelaO que é?

A febre amarela é uma doença infecciosa aguda, de curta duração (no máximo 10 dias), gravidade variável, causada pelo vírus da febre amarela, que ocorre na América do Sul e na África.

Qual o microrganismo envolvido?

O vírus RNA. Arbovírus do gênero Flavivirus, família Flaviviridae.

Quais os sintomas?

Os sintomas são: febre, dor de cabeça, calafrios, náuseas, vômito, dores no corpo, icterícia (a pele e os olhos ficam amarelos) e hemorragias (de gengivas, nariz, estômago, intestino e urina).

Como se transmite?

A febre amarela é transmitida pela picada dos mosquitos transmissores infectados. A transmissão de pessoa para pessoa não existe.

Como tratar?

Não existe nada específico. O tratamento é apenas sintomático e requer cuidados na assistência ao paciente que, sob hospitalização, deve permanecer em repouso com reposição de líquidos e das perdas sanguíneas, quando indicado. Nas formas graves, o paciente deve ser atendido numa Unidade de Terapia Intensiva. Se o paciente não receber assistência médica, ele pode morrer.

Como se prevenir?

A única forma de evitar a febre amarela silvestre é a vacinação contra a doença. A vacina é gratuita e está disponível nos postos de saúde em qualquer época do ano. Ela deve ser aplicada 10 dias antes da viagem para as áreas de risco de transmissão da doença. Pode ser aplicada a partir dos 9 meses e é válida por 10 anos. A vacina é contra-indicada a gestantes, imunodeprimidos (pessoas com o sistema imunológico debilitado) e pessoas alérgicas a gema de ovo.

A vacinação é indicada para todas as pessoas que vivem em áreas de risco para a doença (zona rural da Região Norte, Centro Oeste, estado do Maranhão, parte dos estados do Piauí, Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul), onde há casos da doença em humanos ou circulação do vírus entre animais (macacos).

Fonte: Ministério da Saúde

Clique aqui e saiba mais!

Combate à Dengue e à Febre Amarela

Combate à dengue e febre amarelaO combate à dengue e à febre amarela é praticamente o mesmo, pois o mosquito transmissor é o mesmo. A única diferença é que existe vacina para a febre amarela.

Por isso é sempre bom lembrar para não deixar água parada em lugar nenhum.

Clique aqui para saber mais sobre a campanha do Ministério da Saúde no combate à dengue.

Dr. Henrique Braga

AssinaBlog

Vacina é única forma de evitar febre amarela

febre amarela

O surgimento de casos de febre amarela no início deste ano provocou uma corrida aos postos de vacinação. A imunização é a única forma de evitar a doença.O governo federal afirma que todos os casos confirmados são da forma silvestre –contraídos em matas localizadas em áreas de risco– e descarta a possibilidade de uma epidemia. A forma urbana da doença não é registrada no país desde 1942.A febre amarela é transmitida pela picada dos mosquitos transmissores infectados. Os principais sintomas são febre, dor de cabeça, calafrios, náuseas, vômito, dores no corpo e hemorragias, além de pele e olhos amarelados.

A doença, que não possui tratamento específico, pode levar à morte. O paciente deve ser hospitalizado, permanecer em repouso com reposição de líquidos e das perdas sangüíneas, quando indicado, de acordo com o Ministério da Saúde.

A vacinação é indicada para todas as pessoas que viajam ou vivem em áreas consideradas de risco para a doença –regiões Norte, Centro-Oeste, Maranhão, Minas Gerais, sul da Bahia e do Espírito Santo e oeste do Piauí, São Paulo, Paraná e Santa Catarina.

A vacina é aplicada gratuitamente em postos de saúde de todos os municípios do país, além de salas de vacinação em portos, aeroportos e fronteiras. Pode provocar dor de cabeça, febre e mal estar em algumas pessoas.

A proteção vale por dez anos e deve ser tomada dez dias antes da viagem para a área de risco. A imunização, no entanto, é contra-indicada a gestantes, imunodeprimidos –pessoas com o sistema imunológico debilitado– e pessoas alérgicas a ovo.

Fonte: Folha Online

AssinaBlog