Síndrome de Dependência do Álcool

A síndrome de dependência do uso de bebidas alcoólicas, também conhecida como alcoolismo ou etilismo, é uma doença que afeta cerca de 18,6 milhões de brasileiros (10% da nossa população). Os efeitos nocivos desta dependência química vão desde sérios problemas sociais e familiares até graves complicações de saúde como cirrose do fígado, câncer, demência, doenças do coração e traumas em geral.

O que é?
A síndrome de dependência do álcool, ou alcoolismo, é uma doença crônica que cursa com um desejo incontrolável de beber e, mesmo que tente parar, o indivíduo não consegue se livrar desse vício sozinho. Com o tempo, o indivíduo passa a consumir maiores quantidades de álcool para ter os mesmos efeitos de embriaguez de antes. Além disso, começa a apresentar sintomas como suor frio, tremedeiras, nervosismo e ansiedade quando fica sem ingerir bebidas alcoólicas.

O que causa?
Embora todas as causas do alcoolismo ainda não tenham sido descobertas, acredita-se que um dos fatores seja a hereditariedade; ou seja, os filhos de pais alcoólatras têm maior predisposição a desenvolver a doença.
Evidentemente, é preciso prestar atenção às causas da dependência física ao álcool, mas também é importante levar em conta as necessidades psicológicas que levam a pessoa a refugiar-se na inconsciência de seus efeitos. Na maior parte dos casos, a doença é contraída durante a adolescência, fase em que se busca aprovação e maior segurança, como uma forma de defesa para sentir-se aceito pelo seu grupo social. Em sua maioria, embora nem todos levem o vício ao extremo na juventude, os alcoólatras começam a beber para se sentirem mais seguros ou engraçados entre os amigos.
Em nossa cultura, tomar uma dose é uma prática associada a alguma comemoração, a momentos bons ou divertidos, e por isso, atrai em especial os adolescentes. Com o tempo, tudo passa a ser motivo para beber, bons ou maus momentos, festas de reencontro ou de despedidas. O alcoólatra julga usar o álcool para resolver seus problemas, sem se dar conta de que multiplica seus desconfortos físicos e emocionais e passa a depender do álcool para tudo, até para esquecer que é dependente. O álcool é usado muitas vezes e inconscientemente para fugir ou suportar uma realidade. De um aliado nas situações de crise, transforma-se em vilão do dependente e a pessoa que, no início achava que se tornava forte, descobre-se absolutamente fragilizada e merecedora do desrespeito alheio. Por isso, em certo estágio avançado, o álcool passa a ser considerado como uma forma de autopunição e autodestruição.

Quais são as conseqüências?
A cirrose hepática, que se traduz por uma insuficiência ou mau funcionamento do fígado, é a doença relacionada ao alcoolismo mais conhecida, capaz de levar o indivíduo à morte ou a grande incapacidade física. Outras graves doenças relacionadas ao consumo do álcool são alguns tipos de câncer (ex: pâncreas, esôfago e estômago), demência, doenças dos nervos periféricos, infarto do coração, derrame cerebral, desnutrição, traumas diversos, acidentes de trânsito, acidentes de trabalho, depressão, agressões domésticas e até mesmo homicídios e suicídios.

Como se faz o diagnóstico?
O diagnóstico é feito de acordo com a presença dos sintomas da doença. Deve seguir as diretrizes do Código Internacional de Doenças (CID-10), onde a presença de 03 ou mais critérios dos descritos abaixo irão caracterizar a dependência do álcool. É importante informar que tais critérios são referentes ao histórico de saúde do indivíduo do último ano, ocorridos em qualquer momento neste período de tempo.
Desse modo, o diagnóstico de síndrome de dependência do álcool corresponde à presença de 03 (três) ou mais dos seguintes critérios:
1. Desejo intenso ou compulsão para ingerir bebidas alcoólicas.
2. Tolerância: necessidade de doses cada vez maiores de álcool para atingir os mesmos efeitos obtidos com doses anteriormente inferiores.
3. Abstinência: síndrome típica e de duração limitada que ocorre quando o uso do álcool é interrompido ou reduzido drasticamente, levando à agitação, confusão mental, tremores, suor frio, dentre outros sintomas. Dentro deste mesmo princípio, o indivíduo pode passar também a ingerir bebidas alcoólicas para aliviar os próprios sintomas de abstinência.
4. Aumento do tempo empregado em conseguir, consumir ou recuperar-se dos efeitos da substância; abandono progressivo de outros prazeres ou interesses devido ao consumo do álcool.
5. Desejo de reduzir ou controlar o consumo do álcool com repetidos insucessos.
6. Persistência no consumo de álcool mesmo em situações em que o consumo é contra-indicado ou apesar de provas evidentes de prejuízos, tais como, lesões hepáticas causadas pelo consumo excessivo de álcool, humor deprimido ou perturbação das funções cognitivas (memória e juízo) relacionadas ao consumo do álcool.

Como prevenir?
Não há nenhum modo absoluto de se prevenir o alcoolismo. Porém, o forte apoio da família e as relações sólidas com pessoas que não bebem e os amigos, podem ajudar. De forma geral, para qualquer tipo de vício, o importante é nunca começar a utilizar a droga causadora da dependência em questão e, no caso do alcoolismo, esta afirmativa é muito mais importante para aqueles indivíduos que têm histórico de outros familiares portadores da doença, já que a questão da hereditariedade influi em uma maior facilidade em se adquirir a síndrome de dependência do álcool.

Como tratar?
Há, atualmente, várias formas eficazes de se tratar o alcoolismo. O método mais simples, para casos mais leves, é a realização de consultas periódicas com uma equipe multidisciplinar experiente (incluindo psiquiatra e psicólogo) com o apoio da família, onde são discutidas as dificuldades de abandonar o vício e encorajados os esforços em combatê-lo. Estudos mostram que este é um método eficaz em reduzir o uso do álcool, dependendo diretamente da freqüência das consultas.
Outro método muito eficaz são os grupos de auto-ajuda, particularmente os alcoólicos anônimos. Esses são baseados em variações do programa de 12 passos, além de reuniões freqüentes. Os resultados dos AA são difíceis de avaliar, mas aproximadamente um terço permanece sóbrio de 1 a 5 anos, e um terço por mais que 5 anos.
Casos mais sérios devem ser acompanhados por psiquiatra para tratamento psicoterápico e medicamentoso. Muitos alcoólatras apresentam distúrbios psiquiátricos que necessitam de tratamento, e outros sofrem de sintomas de abstinência quando param de beber, conseqüência da dependência física do álcool.
Geralmente, não é necessária internação para desintoxicação, pois a eficácia não é maior. No entanto, certos casos devem obrigatoriamente ser internados, como por exemplo:
– Aqueles que sofrem sintomas de abstinência moderados a severos;
– Aqueles com delirium tremens;
– Aqueles que são incapazes de seguir acompanhamento diário;
– Aqueles que possuem outra doença física ou psiquiátrica que necessita de internação;
– Aqueles incapazes de tomar medicação por via oral;
– Aqueles que já tentaram tratamento fora do hospital, sem sucesso.
Existem medicações específicas para o tratamento do alcoolismo, que devem ser prescritas apenas por médicos, tendo eficácia já comprovada pela medicina.

Conclusão:
A Síndrome de Dependência do Álcool é um transtorno psiquiátrico com severas repercussões individuais, sociais e econômicas de âmbito mundial.
O seu quadro clínico é bastante estudado e conhecido e, embora seus critérios diagnósticos sejam claros e tenham sido estabelecidos há vários anos, os transtornos relacionados ao uso de álcool ainda constituem um drama para a saúde pública, tanto pela dificuldade de seu tratamento quanto pelo desafio que a identificação dos casos iniciais e, às vezes, até dos quadros mais avançados – representam para os médicos.
O alcoolismo é uma doença e, como toda doença, deve ser tratada. Além do tratamento médico-psicológico, os dependentes do álcool devem contar com o apoio e a compreensão de familiares, amigos e da sociedade para sua recuperação, que devem abandonar o preconceito e tratá-los com respeito e dignidade.

Referências:

GIGLIOTTI, Analice; BESSA, Marco Antonio. Alcohol Dependence Syndrome: diagnostic criteria. Rev. Bras. Psiquiatr. , São Paulo2008

Dependência e Uso Nocivo do Álcool. Atualização Terapêutica 2007, 23ª Edição; 540-541: 1725 – 1735

JORGE, Stéfano Gonçalves. Alcoolismo e Abuso de Álcool. Hepcentro Hepatologia Médica; http://www.hepcentro.com.br

Anúncios

9 Respostas

  1. Matéria muito interessante …
    : )

  2. por que os que usam drogas não são chamados pela psiquiatra de viciados

  3. por que os que usam drogas não são chamados pela psiquiatria de viciados

  4. por que quem e etilista tem carência devitaminas e proteinas?

  5. Essa matéria é maravilhosa.

  6. Faço o curso de enfermagem por isso tenho tive que pesquisar sobre esse asunto para apresentar na sala de aula.

  7. oi eu estou fazendo o trabalho sobre etilismo ..gostaria de saber mais sobre esse assunto ….vcs podem me enviar
    sinais e sitomais
    prevenção
    etiologia
    tratamento não farmacologico
    preagnostico possiveis

    ficarei muito grata …..

  8. meu marido parou de beber a 3 meses, está fazendo tratamento com remédios controlados mais mesmo assim ele tem crises de ansiedades e as vezes não consegue ficar dentro de casa. Como posso ajuda-lo sem internar????

  9. Obrigada, foi e é uma excelente matéria de trabalho e de conhecimento.
    Parabéns!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: